Para Refletir

Há momentos na vida difíceis de serem suportados, em que a única vontade que sentimos é de chorar, pois parecem arruinar para sempre nossa vida. Quando um destes momentos chegar, lembre-se que ainda não chegou o fim, que a sua história ainda não acabou e que ainda há esperança. Corrie Ten Boom disse: "não há abismo tão profundo que o amor de Deus não seja ainda mais profundo". Este amor você encontra aqui, um lugar de esperança, consolo e paz, e aqui encontrará a oportunidade de conhecer a verdadeira vida, uma vida abundante com Cristo.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

ENQUANTO JESUS NÃO VOLTA

35 Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias.
36 Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram.
37 Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá.
38 Quer ele venha na segunda vigília, quer na terceira, bem-aventurados serão eles, se assim os achar.
39 Sabei, porém, isto: se o pai de família soubesse a que hora havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria arrombar a sua casa.
40 Ficai também vós apercebidos, porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá.
41 Então, Pedro perguntou: Senhor, proferes esta parábola para nós ou também para todos?
42 Disse o Senhor: Quem é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor confiará os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo?
43 Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor, quando vier, achar fazendo assim.
44 Verdadeiramente, vos digo que lhe confiará todos os seus bens.
45 Mas, se aquele servo disser consigo mesmo: Meu senhor tarda em vir, e passar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber e a embriagar-se,
46 virá o senhor daquele servo, em dia em que não o espera e em hora que não sabe, e castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os infiéis.
47 Aquele servo, porém, que conheceu a vontade de seu senhor e não se aprontou, nem fez segundo a sua vontade será punido com muitos açoites.
48 Aquele, porém, que não soube a vontade do seu senhor e fez coisas dignas de reprovação levará poucos açoites. Mas àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão (Lc 12.35-48).

Introdução

A Igreja do Senhor Jesus aguarda o maior evento da história: A volta do Senhor Jesus Cristo. A esperança de todo aquele que crê em Jesus, que ama a Deus e que acredita sem reservas na Sua existência e no Seu poder, está na volta de Jesus. Não deve haver anseio maior no coração do cristão do que erguer os olhos aos céus e ver o sinal do Filho do Homem voltando das nuvens. A grandeza desta esperança está no fato de que os que já estiverem mortos no dia do Senhor serão ressuscitados (I Ts 4:16) e estarão voltando com Ele. Já os que ainda estiverem vivos, serão arrebatados até ao Senhor Jesus (I Ts 4:17). Desde que Jesus partiu, a dois mil anos atrás, se ouve que Ele voltará, mas não voltou até agora! O que fazer? Continuar esperando:

9 Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento (2 Pd 3.9).

A demora não consiste na falha da promessa, no esquecimento de Deus ou em qualquer impossibilidade que exista para a volta de Jesus, mas tão somente na longanimidade de Deus, que aguarda a consumação dos tempos em que será completado o número daqueles que hão de ser salvos. Pense que se Jesus tivesse voltado a cem anos atrás, eu teria ficado de fora desta promessa e creio que você também. Então, o que fazer enquanto esperamos? O que fazer enquanto Jesus não vem? Pelo menos três coisas são essenciais:

1 – Aguardar Sua volta em vigilância

35 Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias.

Estar cingido é estar preparado para partir quando o Senhor Jesus voltar. É necessário termos consciência da importância deste preparo. Os verdadeiros servos de Deus aguardam a volta de Jesus com vigilância e prontidão, pois Ele virá em um momento em que menos esperamos.

“Acesas as vossas candeias”. O uso de candeias acesas sugere um período de trevas durante o qual devemos permanecer alertas, prontos para servirmos a Jesus quando Ele voltar. Isso indica que a situação não será confortadora, ou seja, as condições externas não estarão ao nosso favor, pois estaremos diante de inimigos terríveis, enfrentando grandes adversidades em um ambiente hostil, mas ao mesmo tempo acolhedor com ofertas e inúmeras opções as quais tem um único propósito de nos distrair e nos acomodar enquanto esperamos. Isto está muito bem explícito nas palavras de Pedro:

8 Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar (1 Pd 5.8).

O diabo está ao nosso redor com hostilidade. Seja o que for que ele esteja te oferecendo é com um único propósito: afastar você de Deus, desviar todo seu esforço e sua dedicação para algo que não seja de Deus. O diabo cria adversidades em nossa vida, lança empecilhos para nos barrar, oprime para nos desanimar, mas ele também usa a tática do comodismo e enquanto estamos nesta situação ele não nos incomoda, pois ele sabe que enquanto estamos acomodados não estamos em vigilância, e o que é mais triste é que, nesta situação, não estamos preparados para a volta de Jesus. Precisamos estar atentos e o que fazer para que isso aconteça? Há pelo menos três coisas que nos mantém vigilantes e não devemos desprezar nenhuma delas:

A – Participando da Igreja

Será que é importante vir a igreja? Não posso adorar a Deus lá em casa da mesma forma que o adoro na igreja? Devemos adorar a Deus em casa da mesma forma que o adoramos na igreja, aliás, devemos fazer isso onde quer que estejamos, mas é na igreja que, além da adoração, estarei alimentando a esperança da volta de Cristo, porque na igreja, os hinos, os cânticos, as leituras, as orações e a pregação sempre estarão exortando o crente a estar preparado para a iminente volta de Cristo. O crente que espera pelo retorno de Cristo será fiel em ir à Igreja para adorar a Deus junto com os outros crentes. O escritor da epístola aos Hebreus nos exorta quanto a isto:

25 Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima (Hb 10.25).

“Não deixemos de congregar-nos”, este o conselho do autor da carta, e “tanto mais quanto o dia se aproxima”. Se esta exortação era pertinente na época em que esta carta fora escrita, muito mais deve ser nos dias de hoje, em que podemos dizer que estamos vivendo no limiar da consumação dos tempos. Adorar a Deus na Igreja é uma expressão de amor e confiança nas promessas de Cristo. Por isso, sua característica marcante será sempre a alegria de estarmos juntos esperando nosso Senhor e dizendo uns aos outros: “Maranata, ó vem Senhor Jesus!”

O mundo sempre foi hostil para a Igreja de Deus, e cada vez mais está se voltando contra o cristianismo e seus princípios, por isso, precisamos buscar fortalecimento e edificação na comunhão com nossos irmãos na fé e com o Senhor. Precisamos da igreja porque ela nos ajuda a nos mantermos vigilantes. Se quisermos nos manter em vigilância precisamos estar na igreja, participar da igreja, colaborar com a igreja.

B – Lendo a Palavra

A leitura da Palavra é essencial para aquele que quer manter-se em estado de alerta. A meditação na Palavra de Deus certamente é parte essencial de uma vida de vigilância:

1 Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
2 Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite (Sl 1.1,2).

É bem-aventurado aquele que lê, medita e conhece a Palavra de Deus. Por quê? Porque é por meio da leitura e meditação na Palavra de Deus que podemos ouvir a voz de nosso Senhor. Ela orientará nossos passos para fazermos a vontade do nosso Rei enquanto Ele não vem. Quando oramos, falamos com Deus, mas quando lemos Sua Palavra é Ele quem fala conosco. Você não estará ouvindo a voz de Deus se não estiver lendo a Sua Palavra e isto deve ser continuamente, ou seja, assim como seu corpo precisa se alimentar todos os dias, seu coração também precisa de alimento espiritual para se manter acordado, preparado e pronto para a volta de seu Senhor. A leitura da Palavra jamais deve ser desprezada. Você não saberá a ordem de seu Mestre para sua vida se você não ler Sua Palavra, e você não será dedicado no cumprimento desta ordem se você não estiver enfocando esta ordem de uma forma constante.

C – Praticando a oração

Se há algo na vida do crente que nunca deve cessar é a oração, ela deve ser uma constante na vida daquele ama a Deus e tem o prazer de velar à Sua porta. A Bíblia é clara quando diz que devemos orar sem cessar (1 Ts 5.17). Esta é mais uma característica daquele que aguarda o seu Senhor em estado de alerta e quem está atento não desanima com a oração, não deixa interromper esta ligação tão preciosa entre nós e Deus, aliás, estar em oração já é estar vigiando:

18 com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos (Ef 6.18).

A oração é uma das principais armas de vigilância. Para isto, não é necessário que vivamos sempre de joelhos e de olhos fechados, mas teremos um dia inteiro de oração se, ao realizarmos nossas tarefas, mantemos comunhão com Deus, obedecendo a Sua vontade, falando o tempo todo com Ele e nos lembrando quem somos e a quem pertencemos.

Devemos ser vigilantes indo à Igreja, lendo a Palavra e orando constantemente. Desta forma devemos estar aguardando a volta de nosso Senhor. Se o Senhor tarda a chegar, precisamos vigiar mais ainda, ler ainda mais Sua Palavra e orar ainda mais. Infelizmente, temos feito o contrário. Quanto mais o Senhor retarda a Sua volta, mais vamos relaxando. Mas deveríamos fazer o oposto. De ano para ano, deveríamos acender em nosso coração essa expectativa da volta do Senhor e manter a vigilância. É certo que Ele vem, e sem demora, portanto, temos de vigiar sempre.

2 – Aguardar sua volta em atividade

36 Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram.

Havia por parte dos discípulos uma forte expectativa de que Jesus implantasse um reino político. Isto está implícito na pergunta que fizeram a Jesus:

6 Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? (At 1.6).

E Jesus contou a parábola das minas porque vira que seus discípulos achavam que o reino viria de imediato:

11 Ouvindo eles estas coisas, Jesus propôs uma parábola, visto estar perto de Jerusalém e lhes parecer que o reino de Deus havia de manifestar-se imediatamente (Lc 19.11).

É bem possível que ao se depararem com a possibilidade de um reino imediato, muitos aderiram à condição de espera apenas. Já que o reino virá, não precisaremos fazer nada, vamos apenas aguardar. Este pensamento pode nos atingir hoje, como Jesus voltará, e o tempo está se cumprindo, vamos deitar debaixo de uma árvore grande, em sombra e água fresca e aguardar que "Venha o Reino". Mas as parábolas dos talentos (Mt. 25. 14-30) e das minas (Lc. 19. 12-27) nos ensinam que enquanto Jesus não volta é tempo de trabalho. É necessário que sejamos encontrados produtivos para o Seu reino quando Ele vier buscar a Sua igreja. Devemos nos manter ativos:

A – Como servos que somos

É muito importante lembrarmos que, conforme a parábola de nosso texto, somos servos que aguardam o seu Senhor e ser um servo significa estar à disposição do seu Senhor para realizar o serviço que Ele ordenar. Na parábola, Jesus afirma que todos os servos deveriam esperar pelo regresso de seu Senhor para lhe abrirem a porta. Embora não possam saber ao certo quando ouvirão a batida na porta – a qualquer hora, entre as dez da noite e as seis da manhã – eles sabem que naquela noite seu Senhor voltará para casa vindo de uma banquete de núpcias e todos deveriam se manter acordados. A parábola é apresentada por Jesus como uma comparação. Após ter feito uma exortação à vigilância, Jesus compara o estado de alerta a homens que esperavam o seu senhor voltar de uma festa. Claramente, a mensagem que Jesus transmite deve ser entendida espiritualmente. É na escala espiritual que devemos aplicar este ensinamento do Mestre.

Somos servos e servos são para servir. Nosso Senhor não está em nosso pé, Ele se foi, mas disse que um dia voltará para a prestação de contas, nesse dia, você não precisará descrever para Ele tudo que você fez ou deixou de fazer, Ele já sabe e sabe de tudo, pois nada lhe é oculto e não precisa de testemunha nenhuma para provar se tudo é verdadeiro ou falso. Este é o nosso Senhor. Não podemos estar esperando Sua volta fazendo aquilo que der na telha, aliás, podemos sim, mas vamos dar contas por isso. Você é um servo, nunca se esqueça disso.

B – Com a capacidade com a qual fomos capacitados

É certo que somos servos e aguardamos a volta de nosso Senhor, mas precisamos estar conscientes de que para este período de espera cada um de nós foi capacitado com talentos. Ao nos constituir mordomos, embaixadores do reino, Jesus nos presenteou com talentos, dons, capacidades dadas a cada um para que nos tornássemos produtivos, de forma que todos são capacitados, uns com cinco, outros dois e alguns apenas com um talento, mas não importa a quantidade nem a característica destes talentos, o que importa é que uma vez servos, recebemos os talentos e "cada um segundo sua própria capacidade".

8 mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra (At 1.8).

7 e a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo Ef 4.7).

7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso (1 Co 12.7).

Todos nós somos servos de Deus neste mundo, mas Deus sabe que nem todos terão a mesma capacidade e que nem todos terão as mesmas funções. Precisamos entender que Deus dá diferentes talentos a todos nós. Por isso não queiramos ser como o outro é, nem fazer o que o outro faz, mas venhamos a descobrir o que Deus quer que façamos na medida em que Ele nos deu.

C – Com o empenho do qual nos é esperado

Devemos aguardar a volta de Jesus como servos que somos, sabendo que todos nós fomos capacitados com talentos, mas estes talentos precisam ser usados e colocados a serviço do reino. A parábola dos talentos em Mt 25.14-30, exprime muito bem esta idéia. Ela nos mostra que, durante a ausência de Jesus, espera-se que seus discípulos trabalhem diligentemente com os dons a eles confiados, pois serão considerados responsáveis por eles na ocasião de sua volta.

Na prestação de contas, os que multiplicarem os seus talentos serão recompensados, pois demonstraram uma profunda convicção de comprometimento com a pessoa de Jesus e sua obra, mas o que esconder o talento será condenado. Na parábola dos talentos, Jesus chama a atenção para o fato de que aquele que recebeu um talento tinha de seu Senhor uma imagem de alguém preocupado com castigo, e não de um Senhor gracioso pronto para capacitá-lo a se tornar produtivo. Nossa missão é o de multiplicarmos os talentos, fomos capacitados para a Grande Comissão:

19 Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
20 ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século (Mt 28.19-20).

Não temos o direito de permanecermos de braços cruzados, é hora de um grande mover de Deus, um re-avivamento, de grande colheita.

4 É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar (Jo 9.4).

35 Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã;
36 para que, vindo ele inesperadamente, não vos ache dormindo.
37 O que, porém, vos digo, digo a todos: vigiai! (Mc 13.35-36).

Este texto deixa claro que não se espera que os servos fiquem fiscalizando o horizonte, à espreita do Senhor, para correr, em seguida, em pânico, ao vê-lo chegando; ao contrário, os servos deverão executar seus deveres normalmente e espontaneamente. Assim, as palavras de Jesus na parábola significam que seus discípulos deverão dar prosseguimento à missão que receberam, pregando o Evangelho e vivendo o Evangelho, sempre prontos para o retorno do Senhor a qualquer tempo, de modo que o Senhor os encontre na obra.

Nosso Senhor é justo e não exigirá nada além daquilo que podemos fazer, “mas àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão". Ao aguardarmos a volta de Jesus em vigilância e de maneira produtiva, sabendo que somos servos capacitados, naquele Grande Dia ouviremos: "Muito bom, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor".

Os servos que haviam esperado seu senhor voltar são elogiados. Os servos cumpriram o que deles era esperado: aguardar a volta de seu senhor. Assim também, a todos os crentes, não apenas aos discípulos de Jesus, é recomendado que permaneçam prontos, atentos e aguardando a volta do seu Senhor. Se estiverem vestidos e prontos para o serviço, com suas lâmpadas acesas e fulgurantes na noite escura, o Senhor, quando vier, não negará sua recompensa.

3 – Aguardar sua volta preparado para partir a qualquer momento

37 Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá.

É muito importante estarmos preparados para a volta de Jesus em todo tempo, uma vez que não sabemos nem o dia e nem a hora de seu retorno. É necessário estar preparado:

A – A qualquer hora

Jesus sempre deixou muito claro que sua vinda seria como um ladrão:

43 Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa.
44 Por isso, ficai também vós apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá (Mt 24.43,44).

3 Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei como ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti (Ap 3.3).

10 Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor, no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas (2 Pd 3.10).

2 pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite (1 Ts 5.2).

A expressão ‘virei como um ladrão de noite’ não significa que Jesus virá escondido sem que ninguém perceba. O ladrão não avisa a hora da noite em que vai arrombar a nossa porta e roubar a nossa casa, do mesmo modo Jesus não vai avisar a hora em que virá buscar Seu povo. Então, Ele pede que vigiemos para não sermos pegos de surpresa.

Há uma dicotomia nesta expressão "vir como um ladrão de noite". Primeiro, refere-se a volta de Cristo, o fato de não sabermos o dia e hora de sua volta. Em segundo lugar, refere-se a nossa ida para a eternidade que, como a volta de Cristo, não sabemos nem o dia e nem a hora desta partida. Por isso, independente da brevidade ou demora da volta de Cristo, temos que estar preparado a qualquer hora.

B – Em qualquer circunstância

É certo que vivemos em tempos muito difíceis, mas não podemos permitir que as dificuldades nos impeçam de realizar nossas tarefas.

O apóstolo Paulo nos informa que "toda criação geme e suporta angústias até agora" (Rm 8.22). Estes gemidos não são vistos como o grito de morte da criação, mas como as dores de parto que levam à sua restauração. O mundo está doente, o pecado o enfermou. Ele está sofrendo dores, está gemendo e sua esperança não encontra sequer um alívio até que Jesus volte. O pecado entrou no mundo e atingiu não apenas o homem, mas, também a natureza. Em vez de cuidar da natureza, o homem passou a depredá-la. Em vez de ser mordomo da criação, o homem tornou-se seu algoz. A doença que assola o mundo é aguda e crônica. Ela aflige sempre, sem pausa nem trégua. O mundo está sucumbindo e se contorcendo, gemendo e gritando, fazendo soar sua voz de lamento. As catástrofes naturais não são caprichos da natureza, mas são sinais de alerta.

Não permita que as adversidades da vida te desanime, os gemidos são certos, as lágrimas são inevitáveis, mas bem aventurado aquele que semeia com lágrimas, porque voltará colhendo com júbilo e alegria.

Conclusão

É necessário pensar no céu, desejar o céu, viver como se fôssemos para o céu ainda hoje, mas não podemos nos esquecer de que enquanto Jesus não volta, ele nos deixou como embaixadores do reino, nos constituiu mordomos, nos confiando seus bens, dando-nos uma missão e nos capacitando para isto. Portanto, não somos apenas meros expectadores na implantação do reino, somos agentes que possuem o privilégio de serem partícipes do maior projeto que já existiu no mundo: a implantação do reino de Deus.

Jesus advertiu que, ao se aproximar o grande Dia do Juízo, o mar ficaria bastante agitado, por isso agarre-se com toda a sua força no mastro do seu barco, que é a Palavra de Deus e a comunhão com Ele, pois como diz aquele cântico conhecido: “Com Cristo no barco, tudo vai muito bem”. Assim, vigiemos e sejamos sóbrios.

Luiz Lobianco

luizlobianco@hotmail.com

4 comentários:

  1. amém irmão em cristo,creio na palavra e creio que a volta do nosso salvador está mais próximo d que imaginamos.abençoado sejas irmão

    ResponderExcluir
  2. Também creio Ed e anseio pelo dia em que estaremos todos juntos no Reino de Deus curtindo as maravilhas do céu por toda a eternidade!

    ResponderExcluir
  3. Olá irmão!
    Há muito tempo Deus tem ministrado exatamente esse tema em meu coração: "Enquanto Jesus não volta" e compartilho das ideias lançadas em seu estudo. Não farei plágio não (até porque a palavra do Senhor se renova sempre!) mas, usarei como base para escrever o meu livro que levará esse tema.
    Sou graduanda em letras e gestão de recursos humanos e, se assim o Senhor me permitir, tão logo me forme, publicarei o livro.
    Que o Senhor continue te abençoado ricamente na palavra e em sua vida em todos os aspectos. Gostei muito do seu estudo, muito, muito bom mesmo!
    Que o Senhor seja glorificado, amém!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! Pode usar a vontade irmã, a Palavra de Deus é para isso mesmo, ser espalha de todas as formas, e assim estaremos atendendo ao chamado do nosso grande Mestre Jesus Cristo.

      Excluir